• Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • White YouTube Icon
  • Elton Voltolini, Dr. Eng

Os 9 Princípios da Logística Virtual


Neste post você conhecerá os princípios que devem ser observados ao planejar seu sistema logístico com intuito de gerar resultados para a empresa e valor ao cliente seguindo um modelo logístico fortemente amparado em informação, visibilidade e integração (Logística Virtual).

Logística Virtual

A Logística em sua abordagem mais contemporânea, conforme abordado em nosso artigo “Logística – Trajetória e fonte de vantagem competitiva”, preconiza a integração interna e externa como alicerces para cumprir sua missão de entregar valor e desempenho a custos adequados. Por outro lado, diversos fatores do ambiente competitivo têm exigido que as interações ao longo da cadeia de suprimentos ocorram de forma global, instantânea, adaptativa e socioambientalmente responsável, tornando a realidade da execução muito mais complexa.

Desde 2003, antecipamos um movimento que mudaria a maneira como empresas e pessoas compram, vendem, se relacionam ou realizam processos logísticos. As faces mais visíveis deste movimento estão presentes por meio de sites, aplicativos e dispositivos móveis dos mais diversos tipos. Entendemos que a logística da era dos smartphones, dos wearables, do m-commerce, da IoT (internet of things, ou Internet da coisas), da impressão 3D será a Logística Virtual (VOLTOLINI, 2003).

A Logística Virtual precisa ser operada com ampla conectividade e competência e o seu planejamento - envolvendo o tripé Transporte, Armazenagem e Estoques (figura 01) - ocorrem num contexto que precisa integrar instalações e empresas dispersas globalmente para atender segmentos de cliente (empresas e consumidores) com necessidades e expectativas cada vez mais específicas.

Figura 1: Recursos e habilidades requeridos para estratégias genéricas

Fonte: Ballou, 2006

Não é objetivo deste post de aprofundar neste tema, para o qual dedicaremos novas publicações futuras e que norteia nossa metodologia em projetos. Porém, ao relacionar os princípios logísticos e apresentá-los neste material, desejamos apresentar aqueles que devem ser os norteadores para estruturar uma Logística Virtual exitosa.

Princípios da Logística Virtual

Os princípios aqui citados devem ser entendidos como guias para o profissional que precisa planejar o sistema logístico de uma nova organização ou que tem por responsabilidade avaliar o sistema logístico de uma empresa para buscar oportunidades de melhoria e de transformação. Gostamos de mencionar em nossos cursos que estes princípios são os mandamentos da boa logística, que se cumpridos “te levarão ao céu como gestor”; mas que do contrário, resultam em problemas e dificuldades que atormentam o dia-a-dia em muitas organizações.

Os referidos princípios foram elaborados com base em estudos desenvolvidos inicialmente por La Londe e Mason (1993, p. 39) e aperfeiçoados posteriormente por Meade e Sarkis (1998, p. 204) e adaptados mais recentemente em nossos estudos e projetos na EXCENT. Estes princípios vão além das funções logísticas, mas servem-se delas para estabelecer diretrizes sintonizadas com o desenvolvimento tecnológico e com a dinâmica do mercado.

Princípio da Adequação

Este princípio foi proposto por nós com intuito de ressaltar o fato de que o sistema logístico deve observar o construto de variáveis que agrupam uma série de aspectos, que somados representam as características com as quais o sistema logístico deve lidar. Desta forma, deve ficar claro que não existe uma única concepção correta para como estruturar e executar atividades e estratégias logísticas, e sim, a forma mais correta para cada combinação de características.

Princípio do Risco Seletivo

Este princípio advoga que o sistema logístico seja desenhado para que seu desempenho seja proporcional à importância do produto, ou cliente para a empresa. Desta forma, se algum problema acontecer, deve ocorrer em uma área de menor risco para a organização.

Os atributos deste princípio são: conhecimento sobre o cliente, conhecimento sobre o mercado, gama de serviços disponíveis e flexibilidade do sistema de gerenciamento do inventário.

Princípio da seletividade da informação

A logística faz uso intensivo da informação e, portanto, este recurso deve receber total atenção por parte da empresa. A TI e os procedimentos da empresa devem estar estruturados para terem a possibilidade de disponibilizarem as informações necessárias para todos os níveis de decisão.

Como atributos deste princípio têm-se: flexibilidade no estabelecimento de interfaces entre bases de dados; acuracidade da informação; conhecimento das informações necessárias e ferramentas eficientes de busca de dados.

Princípio da seletividade da informação

A logística faz uso intensivo da informação e, portanto, este recurso deve receber total atenção por parte da empresa. A TI e os procedimentos da empresa devem estar estruturados para terem a possibilidade de disponibilizarem as informações necessárias para todos os níveis de decisão.

Como atributos deste princípio têm-se: flexibilidade no estabelecimento de interfaces entre bases de dados; acuracidade da informação; conhecimento das informações necessárias e ferramentas eficientes de busca de dados.

Princípio da substituição da informação

Prega que a informação é mais barata que outros recursos da empresa, sendo recomendável utilizá-la para otimizar e minimizar gastos nos mesmos.

Os atributos respectivos são: cobertura de todos os elos de informação, acuracidade da informação, nível de integração dos sistemas e capacidade de previsão.

Princípio da simplificação das transações

Um sistema logístico é caracterizado por ser intensivo em transações. O princípio da Simplificação das Transações tem como objetivo aumentar a eficiência e efetividade dos processos transacionais da organização. Este princípio é implementado em três estágios. O primeiro é o upgrade do sistema para reduzir ao máximo a interferência humana. O segundo estágio é a criação de interfaces para comunicação eletrônica com fornecedores e clientes. O terceiro estágio diz respeito ao fomento da cooperação entre as organizações envolvidas.

Os atributos do princípio são: interface amigável para o usuário, disponibilidade das informações necessárias para o usuário, nível de integração dos sistemas e acesso dos fornecedores às informações operacionais.

Princípio da redução da variância

Tem como objetivo a redução da variância não planejada no sistema, a qual pode influenciar significativamente a produtividade.

Com atributos têm-se: ferramentas efetivas de previsão, melhoria da comunicação entre consumidores e fornecedores, controle estatístico de processos e melhoria da integração dos sistemas de informação internos.

Princípio da velocidade do inventário

O sexto princípio do gerenciamento logístico trata de facilitar o fluxo dos materiais, desde o estágio de matéria-prima até o produto final, procurando aumentar o giro global de estoques de boa qualidade.

Os atributos deste princípio são: contratação e relacionamentos eficientes com fornecedores de serviços logísticos terceirizados, suporte JIT, operações flexíveis de manufatura e meios de distribuição flexíveis.

Princípio do postponement

Consiste em postergar a tomada de decisão e com isto reduzir a quantidade necessária de inventário para atender uma gama variável de níveis de serviço. Existem três tipos de postponement (BOWERSOX; CLOSS, 1996 apud HOEK, 1998 p. 510):

  • Postponement de tempo – corresponde ao atraso das atividades até o recebimento do pedido;

  • Postponement de lugar – corresponde à postergação da movimentação dos bens a jusante, mantendo-as estocadas centralmente, até o recebimento do pedido;

  • Postponement de forma – envolve o atraso das atividades que determinam a forma e a função final do produto até o recebimento do pedido.

Como atributos do postponement têm-se: desenho modular do produto, método de embalagem flexível, dados sobre locais de venda e distribuição.

Princípio da redução e compartilhamento de risco

Estimula a substituição de custos fixos por variáveis, além da diluição dos custos ao longo da cadeia. Aplicações típicas deste princípio são: contratação de transportadoras no lugar de ter uma frota própria de caminhões, contratação de mão-de-obra temporária para atividades de descarga spot de contêineres, uso de armazém geral para compartilhar custos de armazenagem.

Os atributos do último princípio são: criação de padrões, outsourcing e customização por cliente.

Considerações Finais

Como foi escrito neste texto, os princípios são importantes norteadores para análise, planejamento e execução da Logística Virtual, a qual representa a abordagem contemporânea e futura da gestão logística. Como tal, o uso de informação, recursos e processos para atender necessidades segmentadas e de impactos diferentes, ao mesmo tempo em que se procura criar formas de tornar os custos mais variáveis e aderentes às curvas de operação são objeto dos 9 princípios aqui apresentados.

Com estes princípios é possível dispor de um guia prático que sinaliza o quê deve ser observado em um sistema logístico. Além disso, os enunciados revelam – cada um - a linha mestra de cada princípio. Quanto mais próximo seu sistema estiver de cada abordagem registra, mais robusto, competitivo e adaptável ele será. Se precisar de ajuda nesta jornada conte com a EXCENT Consultoria.

Referências

BALLOU, Ronald H. - Gerenciamento da cadeia de suprimentos / logística empresarial . 5.ª ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2006.

HOEK, Remko I van. Logistics and virtual integration. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, [S.I], v. 28, n. 7, p. 508-523, 1998.

MASON, Bernard J. La Londe; Raymond E. Some thoughts on logistics policy and strategies: management challenges for the 1980s. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, [S.I], v 23, n. 5, p. 39-45, 1993.

MEADE, Laura; SARKIS, Joseph. Strategic analysis of logistics and supply chain management systems using the analytical network. Pergamon, [S.I], v. .1, n. 3, p. 201-215, 1998.

VOLTOLINI, Elton. Logística Virtual – Proposição de um Modelo de Referência em Gestão Logística com Tecnologia de Informação. 2003. 300 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

VOLTOLINI, Elton. Logística – Trajetória e fonte de vantagem competitiva. Disponível em: <https://www.excentconsultoria.com.br/conhecimento> Acesso em: 04 de setembro de 2017

VOLTOLINI, Elton. Serviço ao Cliente – Transformando a gestão de operações em centro de lucros. Disponível em: <https://www.excentconsultoria.com.br/conhecimento> Acesso em: 04 de setembro de 2017

#Logística #LogísticaVirtual #Princípioslogísticos #tecnologiadainformação

157 visualizações